Açailândia: convenção homologa candidatura de Gleide Santos

Em Açailandia, o grupão de oposição, qu reune 14 paritdos, esclheram a eterna candidata a prefeita, Gleide Santos (PMDB).  Sua candidatura foi homologada na ,manhã de hoje durante convenção  partidária. Sua vice será Zatinha Sampaio, irmãdo ex-prefeito e ex-deputado Deusdedith Sampaio.

Disputava a inidcação o vereador Jucelino Oliveira, o ex-prefeito Jeova Alves e o suplente de dpeutado Sérgio Vieira. Cacifada por padrinhos do grupo da governadora  Roseana Sarney, como osdeputados Chiquinho Escórcio e Hélio Soares, Gleide conseguiu mais  vez ser uma candidata.

Mais uma do professor Josemar: “Quando eu ver que tô roubando eu peço para sair”

O professor Josemar, novamente candidato a prfeito de Paço do Lumiar, deu mais uma demonstração de despreparo. Durante convenção, realizada ontem, para homologação de sua candidatura, o professor soltou essa:   “Quando eu ver que tô roubando eu peço para sair”.

Josemar já é conhecido pelos seus discursos “aloprados” que mais demonstram seu despreparo do que ser um candidato povão, que tanto se esforça para ser.

A frase dita por efoi uma tentativa de pasar para os presentes na convenção a ideia de que a atual adminstração rouba, mas que ele, se eleito não irá roubar, mas se roubar, os primeiros a denunciá-lo será sua própria família. Ele fez questão de falar isso acompahado de seus familiares. “Estou apresentando minha família ao meu lado, pois eles me disseram que se eu roubar, eles serão os primeiros a me denunciar.”

A cada aparição pública, o professor policial surpreende, na primeira vez, em público, apresentou-se no palanque do irmão do 1º prefeito cassado de Paço do Lumiar, Mábenes Fonseca, dizendo que o mesmo e sua família eram cidadãos respeitados em todo o município, sendo que conhecem as pessoas e já vivem em Paço há 30 anos.

O candidato da oposição sempre foi motivo de chacota por conta de suas falas sem sentido e fora de ocasião. Os proprios aliados afirmam que o povo até que tem vontade de elegê-lo, mas que na hora H, sabem que se é “ruim sem ele, muito pior ainda com ele”.

 

Chapadinha: Magno Bacelar aplica calote em Belezinha

Magno Bacelar, candidato a prefeito de Chapadinha

O candidato  a prefeito de Chapadinha, Magno Bacelar, alugou em 2010, durante sua campnha para deputado estadual, um galpão de propriedde da empresária Belezinha, sua atual aversária no município na disputa pela prefeitura e não pagou.

A birga foi para na justiça.  O  imóvel foi locado por R$ 3,5 mil mensais e dois depois, mesmo despejado por ordem judicial, Magno não retirou ssuas sucatas do local.

Quatro cheques no valor de 72mil reais cada, assinados pela prfeita Danúbia Carneiro, que teriam sido a Belezinha no pagamento dos alugueis simplesmente nao oram compensados pelo banco.

Leia mais no blog do Caio Hostilio.

Veja alguns documentos que comprovam o calote:

Alto Alegre do Pindaré pede o “Volta Fufuca”

Aconteceu aquilo que o prefeito de Alto Alegre do Pindaré, Atemir  Botelho mais temia. A candidatura do ex-deputado e ex-prefeito, Fufuca Dantas a prefeito de Alto Alegre do Pindaré foi homologada ontem (29)durante  convenção, onde também foram confirmadas as candidaturas dos vereadores e a do vice da chapa de Fufuca, sr. Meinha.

Com slogan “Volta Fufuca”, a campanha do peemedebista tem o apoio de mais oito partidos:   PSD, PPS, PTC, PP, PT do B, PV, PHS e PSL.

O prefeito Atemir Botelho que tinha feito uma campanha mentirosa contra Fufuca, esplahando na cidade que ele nõ poderia ser candidato, sem sucesso,  teve que olhar de longe uma multidão que compareceu à conveção para confirmar o “Volta Fufuca”.

O medo de Atemir tem razão de ser. Em levantamentos prévios realizado pelo próprio prefeito, só Fufuca ou um de seus filhos apresentavam condições de vencer as eleições. No caso de Fufuca, com folga.

A situação do prefeito Atemir,  que antes de entrar na política havia declarado ao TRE possuir apenas  um computador  e hoje dono de mansão, carrões e maquinas pessadas, não é nada confortável.

 

Com medo, Chico Carvalho quer impedir Wellington do Curso de disputar eleição

Wellington do Curso

O presidente do diretório estadual do PSL, vereador Francisco Carvalho, tenta retirar o nome de Wellington do Curso da lista dos que serão escolhidos para disputar vagas de vereador de São Luís nestas eleições de 2012. A confusão é grande na convenção do partido. É que informa hoje o blog do Luis Cardoso.

Desde a expressiva votação de Wellington nas últimas eleições, quando só em  São Luís obteve mais de 16 mil votos, que Chico Carvalho se sete ameaçado pelo empresário.

A manobra para retirar Wellington da disputa é do próprio Chico é só dele. Os outros argumentos épura balela.  O vereador sabe que erádifilcudades para reeleição caso Wellington dispute.

A situação de Carvalho piorou com a entrada do suplente Fábio Câmara do PMDB, na Zona Rural, uma de suas principais bases eleitorais. O vereador já teria reclamado da ação até com Fernando Sarney para tentar impedir a entrada de Cãmara em suas bases.

Outra manobra de caravalho, que se acha dono do partido, é que além de tentar impedir um pleito justo, o vereador Francisco Carvalho negociou o apoio do PSL para o candidato do Palácio dos Leões, contrariando o desejo do do presidente da Câmara Municipal de São Luis, Isaias Pereirinha, que defende aliança com o prefeito João Castelo.

 

FAMEM discute implantação de política de valorização da mulher nos municípios

O presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (FAMEM), prefeito Junior Marreca, e a secretária de Estado da Mulher, Catarina Bacelar, definiram, esta semana, estratégias para implantação da política de valorização da mulher nos municípios.

Em reunião na sede da Federação, da qual participaram, também, técnicos e analistas dos dois órgãos, Junior Marreca e Catarina Bacelar iniciaram conversas com vistas a estabelecer uma agenda programática que leve as discussões às principais cidades do Maranhão.

Pelo que ficou acordado, haverá seminários regionais – divididos por polos -, quando serão debatidas questões relacionadas ao tem. “O que pretendemos é levar esse debate às regionais que já visitamos com os Seminários Regionais de Lideranças e com os Seminários Eleitorais para discutir, com a Secretaria da Mulher, a implantação de uma política eficaz de valorização da mulher nos municípios”, destacou Marreca.

Segundo ele, há inúmeras experiências bem-sucedidas já em desenvolvimento pela Secretaria da Mulher em São Luís que podem ser levadas para o interior do estado, como forma de promover a ampliação de da rede de proteção e valorização do sexo feminino.

“Na capital, já existem várias experiências bem-sucedidas de valorização da mulher e, até por uma questão cultural, o sexo feminino já vem deixando, há algum tempo, de ser considerado o sexo frágil. Mas precisamos levar essa consciência ao interior do estado, principalmente nos municípios mais distantes, para criarmos essa rede de proteção e valorização da mulher”, completou.

Novas reuniões entre a FAMEM e a Secretaria da Mulher já estão agendadas para efetivar o projeto que começou a ser discutido agora.

 

Eliziane Gama: a vitória da persistência…

BLog do Marco D’Eça

A campanha da deputada Eliziane Gama já começa com uma vitória importante: Contra tudo e contra todos, após inúmeras idas e vindas, ela foi beneficiada pela persistência e foi homologada ontem candidata pelo PPS.

E ela chega à disputa pela prefietura como chegou à vida pública, no início dos anos 2000, e como chegou também à Assembléia Legislativa, ainda em 2006.

– Minha candidatura não tem nenhum padrinho. Sou eu e o povo – declarou uma entusiasmada candidata ao titular do blog.

De fato, Eliziane Gama é a única dos candidatos que não tem um padrinho famoso, um sobrenome de peso ou uma estrutura política por trás.

Washington Luiz (PT) tem consigo a estrutura do governo e os partidos da base da governadora Roseana Sarney (PMDB). Tadeu Palácio já foi vereador e prefeito de São Luís; o prefeito João Castelo (PSDB) dispensa comentários e Edivaldo Júnior (PTC) faz questão de se declarar afilhado de Flávio Dino – sem falar no sobrenome do pai, ex-deputado federal e estadual.

Mesmo assim, Eliziane Gama entra na disputa com cacife eleitoral para embolar a disputa, segundo revelam as próprias pesquisas.

Na última, da Econométrica, por exemplo, foi a única que cresceu acima da margem de erro, atingindo 12% de intenções de voto, conquistados nas ruas, no contato com a população, no corpo a corpo em feiras, mercados, igrejas e comunidades.

E é assim que será campanha, segundo ela.

– Vou para as ruas, como sempre fiz. Com o povo, na luta, na perssistência, como é na minha história de vida – afirmou a candidata.

O companheiro de chapa ela espera definir até o final do prazo das convenções.

Mas, diante de tanta força de vontade, isso é apenas um detalhe…

STF garante ao PSD tempo no horário eleitoral

Da Veja

O Supremo Tribunal Federal (STF) aprovou a tese de que partidos políticos criados depois das últimas eleições têm direito também aos dois terços do tempo de rádio e TV no horário gratuito em rádio e TV garantidos hoje apenas a legendas com representação na Câmara dos Deputados. Na prática, a decisão beneficia o PSD – partido criado em 2011, depois do último pleito de 2010.

A Lei das Eleições (nº 9.504) garante aos partidos políticos o direito a tempo de exposição gratuita no horário eleitoral. E divide o tempo da seguinte forma: um terço para todas as legendas que estejam participando da eleição e dois terços divididos entre aquelas que têm representação na Câmara. O PHS reivindicou no STF, por meio da Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 4450, a participação também nos dois terços.

Em sessão plenária nesta quinta-feira, a maioria dos ministros concordou com a tese do ministro-relator, José Dias Toffoli, que proferiu seu voto considerando parcialmente procedente o mérito da ação. Acompanharam o voto de Dias Toffoli os ministros Celso de Mello, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Luiz Fux e Carlos Ayres Britto. Os votos discordantes foram dos ministros Joaquim Barbosa, Marcos Aurélio Mello e Cezar Peluso.

Toffoli propôs ainda a inclusão, no corpo da lei, do texto “considerada a representação dos deputados que migrarem diretamente dos partidos de origem para a nova legenda quando da sua fundação”. O PSD nasceu com uma bancada de 48 deputados federais que deixaram seus partidos de origem para fundar a nova legenda.

TSE autoriza candidatos ‘contas sujas’ nas eleições

BRASÍLIA – O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aceitou nesta quinta-feira (28), por quatro votos a três, pedido de 14 partidos para anular sentença da própria Corte que havia barrado das urnas os políticos que tiveram a prestação de contas da campanha de 2010 rejeitada pela Justiça Eleitoral. Com a decisão, os chamados contas-sujas poderão concorrer às eleições municipais de outubro.

 Por maioria, o TSE determinou que a desaprovação das contas “não é impedimento para obter a quitação eleitoral”.

 Apesar de ter liberado os contas-sujas a disputar as eleições, a Corte enfatizou que, se houver a comprovação de que as quitações foram forjadas pelos candidatos, a contabilidade será considerada “não-prestada”. Neste caso, os concorrentes serão afastados da corrida eleitoral pela Justiça Eleitoral.

 A situação dos candidatos com as contas rejeitadas havia começado a ser analisada na última terça-feira (26), mas o julgamento foi interrompido devido a um pedido de vista do ministro Antonio Dias Toffoli.

 O magistrado havia pedido mais tempo para apreciar o caso quando o placar estava empatado em três a três. Falta apenas o voto de Toffoli para que o julgamento fosse concluído. Nesta quinta, o ministro retomou a apreciação do caso e votou pela reconsideração da sentença anterior.

 “O requisito deve ser a apresentação das contas de campanha, tal com está na legislação. A mera desaprovação das contas, ainda que por vícios que não configurem necessariamente abuso do poder econômico ou outra irregularidade de natureza mais grave, acarretaria de imediato a inviabilidade da candidatura”, defendeu Toffoli.

 A mudança nas regras eleitorais havia sido aprovada em março pelos ministros do TSE por quatro votos a três. O PT, no entanto, questionou a exigência, alegando que o tribunal teria criado uma “sanção de inelegibilidade não prevista em lei”.

 O recurso, endossado posteriormente por PMDB, PSDB, DEM, PTB, PR, PSB, PP, PSD, PRTB, PV, PCdoB, PRP e PPS, argumentava que a legislação eleitoral previa apenas a apresentação das contas pelo candidato. Segundo o TSE, cerca de 21 mil pessoas corriam o risco de ficar de fora da eleição devido a problemas na contabilidade eleitoral.

 Relatora

 Relatora do processo, a ministra Nancy Andrighi recomendou aos colegas a rejeição do recurso. Na avaliação da magistrada, teriam sido “observados” todos os requisitos legais na sessão que estabeleceu as novas regras de prestação de contas eleitorais. Para Nancy, não caberia qualquer questionamento por parte dos partidos.

 O voto da relatora foi acompanhado pelos ministros Marco Aurélio Mello e Cármen Lúcia. Marco Aurélio, inclusive, advertiu os magistrados que a decisão poderia deflagrar uma corrida de questionamentos a resoluções da Justiça Eleitoral.

 “Se a moda paga, vamos conviver com inúmeros pedidos de reconsideração. Essa questão deveria ser resolvida no campo jurisdicional”, defendeu.

 Apesar da recomendação contrária da relatora, os ministros Antonio Dias Toffoli, Henrique Neves, Arnaldo Versiani e Gilson Dipp atenderam à reclamação das legendas políticas. A decisão anterior acabou revista por conta de uma recente troca de cadeiras no tribunal.

 Na primeira vez em que o tema foi apreciado pelo TSE, Toffoli e Neves ainda não haviam sido indicados para a Corte Eleitoral. Os dois sucederam, respectivamente, os ministros Ricardo Lewandowski e Marcelo Ribeiro, que deixaram o TSE depois da revisão da norma de prestação de contas.

 À época, Lewandowski havia dado o voto decisivo contra os contas-sujas. Desta vez, contudo, coube a Toffoli a tarefa de desempatar a disputa e reverter a posição inicial do tribunal.

Recurso das legendas

 As legendas que recorreram ao TSE para tentar derrubar a exigência de as contas serem aprovadas para obter a quitação eleitoral alegaram que não há na legislação a exigência de julgamento do mérito para que o candidato seja habilitado a disputar eleições.

 Na visão dos partidos, eventuais irregularidades poderão ou não resultar em restrição ou cassação de direitos, desde que o processo judicial seja instaurado com as devidas garantias constitucionais asseguradas ao acusado.

 Em maio, em uma votação inesperada, a Câmara dos Deputados aprovou um projeto de lei que permite que os políticos recebam registro para disputar eleições mesmo quando tiverem as contas eleitorais reprovadas.

 Somente o PSOL não encampou a proposta apresentada pelo deputado Roberto Balestra (PP-GO). A iniciativa determina que a certidão de quitação eleitoral seja concedida aos candidatos que apresentarem à Justiça Eleitoral a prestação de contas da campanha anterior, mesmo que não tenham sido aprovadas pela Justiça Eleitoral.